(11) 5573-8735 / 5573-5528 / 5083-3491 sbd-resp@sbd-sp.org.br

Será que é verruga?

Quem nunca se fez esta pergunta na vida? Verruga é um mundo à parte na Dermatologia. Há diversas lesões que parecem verruga, mas não são. E também há vários tipos de verruga que requerem tratamentos específicos. Por isso, é arriscado se automedicar. Imagine que algumas lesões podem ser, até mesmo, câncer de pele! Entenda, a seguir, o que são verrugas, como elas aparecem e, principalmente, o que você deve fazer para resolver o problema sem colocar sua pele em risco.

Verruga no dedo da mão. (Foto cedida pelo Dr. John Veasey)

O que são verrugas, afinal?

“São lesões cutâneas causadas pelo vírus papilomavírus humano (HPV)”, explica o Dr. John Veasey, dermatologista e membro da SBD-RESP. Existem mais de 150 tipos diferentes de HPV, segundo o Ministério da Saúde.  A infecção por esse vírus promove um crescimento anormal das células da epiderme e as lesões podem ter aspectos (forma, textura e cor) diferentes:

Verrugas vulgares

Comuns na infância, as verrugas vulgares consistem em lesões irregulares, endurecidas e ásperas que surgem, normalmente, nas áreas de atrito, como mãos, dedos, cotovelos e joelhos. Quando aparecem ao redor das unhas são chamadas de verrugas periungueais.

Verruga plantar. (Foto cedida pelo Dr. John Veasey)

Verrugas plantares

Elas têm esse nome porque aparecem na planta dos pés. As verrugas plantares são popularmente conhecidas como “olho de peixe” por causa do seu aspecto com pontinhos escuros no centro. Muita gente confunde com calos. A pressão do peso do corpo ao andar pode gerar dor.

Verrugas anogenitais (condilomoas anogenitais)

São lesões na mucosa genital, uretra, vagina, colo do útero, região perianal ou mucosa oral que têm o aspecto de couve-flor. Podem ser únicas ou múltiplas. Cerca de 40 subtipos de HPV estão relacionados à doença, sendo que 12 deles são mais preocupantes, pois podem evoluir para o câncer de colo do útero, vulva, vagina, pênis, ânus e orofaringe.

Verrugas filiformes

São comuns em pessoas mais velhas e surgem, em geral, na face, pescoço, pálpebras e lábios. Têm uma forma fina e alongada.

Verrugas planas

Parecem bolinhas acastanhadas ou amareladas com superfície lisa que, normalmente, surgem na face e dorso das mãos dos adolescentes.

Verruga no punho. (Foto cedida pelo Dr. John Veasey)

Causas

O vírus HPV é transmitido pelo contato com pessoas ou objetos infectados. O Dr. John explica que para que ele penetre na pele, é necessário que haja uma perda na coesão epitelial, quer seja por feridas que visualizamos a olho nu, quer seja por microfissuras imperceptíveis. Por isso, não é recomendável ficar cutucando a verruga, já que isso pode ocasionar a autoinoculação. A transmissão do HPV também pode acontecer pelo contato sexual e, no momento do parto, via materno fetal. Mas a verruga não surge imediatamente. Pode levar semanas e até meses, após a transmissão, para a lesão se manifestar. Importante ressaltar que pessoas com a imunidade baixa são mais propensas à infecção, como é o cado dos pacientes transplantados.

O que parece verruga mais não é

Pintas, caroços, nevos ou verruga? “Há muita confusão. Entretanto, muitas dessas lesões não são provocadas pelo parasitismo do vírus HPV e, portanto, não são verrugas. Dentre elas, estão alguns nevos, acrocórdons, ceratoses seborreias, ceratoses actínias e até mesmo alguns cânceres de pele (carcinomas e melanoma) podem ser erroneamente considerados ‘verrugas’ pela população leiga”, avisa o Dr. John Veasey.

As verrugas podem desaparecer de repente?

Podem, especialmente nas crianças. Mas, lembre-se que há sempre o risco de proliferação pela pele e mucosas. “Trata-se de uma doença infecciosa com contágio por contato direto e/ou indireto com a lesão, incluindo-se aí a autocontaminação e a transmissão para outras pessoas”, lembra o Dr. John.

Tratamento das verrugas

Antes de tudo, é importante fazer um diagnóstico correto por meio de uma consulta com um dermatologista, que é o médico especialista na saúde da pele, cabelos e unhas. “O não tratamento das lesões, ou pior, o tratamento incorreto de uma lesão como verruga pode complicar o quadro e piorar uma doença que pode ser grave”, alerta o Dr. John Veasey. O tratamento da verruga em si depende do tipo, sua localização e a idade do paciente. Eles se dividem em  três grandes grupos:

  • Destrutivos/cirúrgicos: utilizam-se ácidos, eletrocauterização, crioterapia, laser ou se remove a lesão cirurgicamente;
  • Imunoestimulação: podendo ser sistêmica (medicamentos orais), intralesionais (injeções) ou tópicas (cremes);
  • Antiproliferativa: por meio de medicamentos tópicos ou intralesionais. “Vale ressaltar que a vacina para vírus HPV não é terapêutica, ou seja, ela não resolve as lesões clínicas ativas, mas atua na prevenção do surgimento de novas lesões. Existem alguns artigos que discutem a eficácia terapêutica, porém não há qualquer comprovação científica”, esclarece o Dr. John.

A automedicação é um risco, pois o paciente pode estar tratando como verruga uma outra doença,  até  mais grave, como um carcinoma ou melanoma, mascarando o real problema

Verruga periungueal. (Foto cedida pelo Dr. John Veasey)

Vacinação contra o HPV:  todos deveriam tomar

O Ministério da Saúde disponibiliza a vacinação contra HPV para meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos, em duas doses, gratuitamente pelo Sistema Únido de Saúde (SUS). Pessoas que vivem com HIV e pessoas transplantadas na faixa etária de 9 a 26 anos também podem tomar a vacina pelo SUS. É importantíssimo vacinar a população pré-adolescente, que ainda não entrou em contato com o vírus, mas também adultos, em geral, deveriam ter esse cuidado, pois mesmo quem já sofreu contaminação por HPV não está protegido de novas infecções na vida. “Quando o HPV penetra na pele, ele não estimula a imunidade do paciente e não produzimos anticorpos suficientes para evitar novas contaminações. Ao se aplicar a vacina, o vírus é exposto ao sistema imune e, então, a pessoa consegue produzir anticorpos que irão prevenir futuras contaminações”, esclarece o Dr. John Veasey. Ele lembra que a Anvisa já libera a vacinação contra HPV para pessoas até 48 anos de idade. “Não podemos esquecer que a vacina previne, além de verrugas, diversos carcinomas”, reforça o Dr. John.

Saiba mais sobre HPV no site do Ministério da Saúde: http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/hpv

SOBRE A SBD-SP

A Sociedade Brasileira de Dermatologia – Regional São Paulo é uma entidade sem fins lucrativos fundada em 1970 para fomentar a pesquisa, o ensino e o aprimoramento científico da dermatologia como especialidade médica. Reúne, atualmente, mais de 2500 associados.

CONTATOS

Endereço: Rua Machado Bittencourt,
361 / cjs 1307 a 1312
Vl. Clementino – São Paulo-SP
CEP: 04044-001
E-mail: sbd-resp@sbd-sp.org.br
Tel/Fax: (11) 5573-8735, 5573-5528, 5083-3491

SEJA UM ASSOCIADO